13set

Sobre a Polônia e tanto mais

cópia de Arquivo 15-03-17 12 17 39

tsenatan

Arquivo 15-03-17 12 24 40

fa1Arquivo 15-03-17 12 03 27

No início do ano, junto com meu irmão, fiz uma viagem que quase posso chamar de aventura: fomos até a Polônia em busca da nossa história. Meus avós maternos vieram de lá após sobreviverem a Segunda Guerra Mundial. Isso por si só já é uma enorme aventura. Juntando ao frio de -10 graus que encontramos em fevereiro e a busca por lugares, nomes e documentos, voltei com uma bagagem interna riquíssima da qual não quero esquecer jamais. Retornamos ao país  do qual fomos expulsos, mas a verdade é que dentro de mim eu sabia que fui em busca de raízes, da vida dos meus antepassados antes da guerra. E encontrei lugares lindos, me hospedei na rua em que a minha avó viveu pós guerra e frequentei o mesmo centro na cidade de Lublin, a qual me encantei. O resto da história em breve estará em um documentário incrível que meu irmão está produzindo. Mas deixo aqui fotos e um texto que escrevi durante a viagem, com as emoções  a flor da pele, porque alguns sentimentos são tão ricos que é preciso registrá-los.

SOBRE A POLÔNIA E TANTO MAIS 

Na semana passada mostrei fotos lindas, de lugares mais bonitos ainda, do país de onde vieram os meus avós. Do país de onde vieram tantos avós. Lá ela perdeu a casa, ele perdeu amigos, ela perdeu a família, perdeu o nome. Não perderam a vontade de viver.

Não escrevi sobre os campos de concentração. E não posso deixar de escrever. Visitei os dois em que morreram os meus bisavós: SOBIBOR, hoje representado por um monumento e a antiga estação de trem, e MAJDANEK, que foi possível conhecer. Fazia muito frio, o chão estava todo coberto de neve. A paisagem seria quase linda se não fosse um horror. Já vimos tantas imagens, de tantos campos, lemos os livros, descrições de cada lugar. Não seria tanta novidade, não é? E a princípio não foi. Ao começar o percurso, nada que minha mente imaginativa já não esperava encontrar. Até eu entrar na primeira câmara de gás. Alguma coisa aconteceu naquele momento. Um soco no estômago – não consigo encontrar expressão que descreva melhor. Perdi um pouco o ar. Depois a casa com as camas, a mesma sensação. Sou bastante sensível e muito visual. A imagem, a madeira, o cheiro o silêncio e o frio me disseram em poucos minutos mais do que mil palavras poderiam me contar. Passei o tempo restante em silêncio. Era preciso calar. Parece que a energia do lugar conta a história sem falar.

Terminei o caminho em quase duas horas. Ao sair e me olhar no espelho, senti um enorme alívio. Eu, que muitas vezes fui tão dura comigo mesma, nunca me senti tão bonita quanto naquele momento. Nem tão grata por ser quem sou. Saí em paz. O silêncio foi restaurador.

Até certa idade, para mim, os avós eram as pessoas que vinham da guerra, falavam com sotaque engraçado, nos enchiam de amor, beigale e batata frita, Oy Vey!

Mais tarde compreendi, que eu tive a sorte de ter avós, que apesar dos horrores a que foram submetidos, apostaram alto na vida. Juntos construíram laços fortes e tiveram a ousadia de passar por ela de maneira feliz e comum. A bissale mazal (um pouquinho de sorte), a bissale glik (um pouquinho de alegria). “A gente vivia bem com o que tinha” – eu quase posso ouvi-la repetir.

Eu ainda não sabia, mas fui à Polonia procurar por quem eram aqueles que vinham da guerra. Quem eram todos eles? E encontrei documentos, costumes, fotos e histórias. Me encantei com as ruas, as cores, comidas e cafés. Encontrei o nome da minha avó. Escutei a língua, não entendi nada. Compensei com torta de maçã. Voltei para casa feliz.

Por algum motivo, talvez porque seja a história de tantos avós, senti uma imensa vontade de compartilhar as minhas impressões e sensações. Uma grande viagem. Para fora e para dentro de mim.

Em memória dos meus avós, Tsecha e Natan Szpigel, e dos meus bisavós, Chana e Jacob Josek Rapaport/Ides e Jankiel Szpigel, e como uma maneira de agradece-los, eu escrevo hoje esse texto.

#neveragain

To Life! Lechaim!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>