13set

Tradição, amor e fé (e uma pitada de bolas douradas)

capablog1

capablog2

Todo ano é a mesma coisa: chega perto do ano novo judaico (Rosh Hashaná) e tenho vontade de criar algum produto especial, que seja significativo, inovador e de alguma maneira transmita o que eu sinto. Já bolei e vendi tantas coisas diferentes umas das outras: mel com receita de bolo estampada na embalagem, jogo americano com motivos da festa e até uma latinha de biscoitos da sorte (sim, chinês) e mensagens de shaná tová – esse foi incrível, dou risada só de lembrar. 

Este ano criei um produto que faz tempo anda estampando a minha mente: uma capa para cobrir a CHALLAH em SHABAT e YOM TOV. Assim que casei ganhei uma capa linda e bem tradicional de uma pessoa querida e aquilo pra mim foi e ainda é um presente muito especial. Me traz uma sensação gostosa cada vez que coloco na mesa: de tradição, de amor, de ritual e de algo maior. Por isso quis produzir uma “a la minha maneira” para vender. Um cobre-challah alegre, moderno e que leve para quem comprar/ganhar o que representa pra mim: tradição, amor e fé. Porque embora pareça xaropada, eu acredito sim que transmitimos os nossos desejos e emoções através do que criamos! E esses são os meus para  Rosh Hashaná que se aproxima:

UM ANO DOCE, UMA MESA LINDA E CHEIA DE SIGNIFICADOS PARA TODOS! SHANA TOVA UMETUKA!

capa1.3

*para quem quiser deixar a mesa mais linda e encomendar – R$89,00 – através do site: http://loja.ideiadalu.com.br/pd-4d3837-capa-para-cobrir-challah.html?ct=&p=1&s=1 ou whatsapp 11 981360418. Entregas 14/15/18/19/20 de setembro.

E aproveitando que você chegou até aqui, segue no link uma receita incrível de PAIN PERDU DE CHALLAH da chef Andrea Kaufmann para o site panelinha. Eu servi no ano passado mas assei em um refratário grande, não em individuais. Foi super sucesso, mas super mesmo! Espero que gostem!

http://www.panelinha.com.br/receita/Pain-perdu-de-challah

foto - Panelinha

foto – Panelinha

 

 

 

13set

Sobre a Polônia e tanto mais

cópia de Arquivo 15-03-17 12 17 39

tsenatan

Arquivo 15-03-17 12 24 40

fa1Arquivo 15-03-17 12 03 27

No início do ano, junto com meu irmão, fiz uma viagem que quase posso chamar de aventura: fomos até a Polônia em busca da nossa história. Meus avós maternos vieram de lá após sobreviverem a Segunda Guerra Mundial. Isso por si só já é uma enorme aventura. Juntando ao frio de -10 graus que encontramos em fevereiro e a busca por lugares, nomes e documentos, voltei com uma bagagem interna riquíssima da qual não quero esquecer jamais. Retornamos ao país  do qual fomos expulsos, mas a verdade é que dentro de mim eu sabia que fui em busca de raízes, da vida dos meus antepassados antes da guerra. E encontrei lugares lindos, me hospedei na rua em que a minha avó viveu pós guerra e frequentei o mesmo centro na cidade de Lublin, a qual me encantei. O resto da história em breve estará em um documentário incrível que meu irmão está produzindo. Mas deixo aqui fotos e um texto que escrevi durante a viagem, com as emoções  a flor da pele, porque alguns sentimentos são tão ricos que é preciso registrá-los.

SOBRE A POLÔNIA E TANTO MAIS 

Na semana passada mostrei fotos lindas, de lugares mais bonitos ainda, do país de onde vieram os meus avós. Do país de onde vieram tantos avós. Lá ela perdeu a casa, ele perdeu amigos, ela perdeu a família, perdeu o nome. Não perderam a vontade de viver.

Não escrevi sobre os campos de concentração. E não posso deixar de escrever. Visitei os dois em que morreram os meus bisavós: SOBIBOR, hoje representado por um monumento e a antiga estação de trem, e MAJDANEK, que foi possível conhecer. Fazia muito frio, o chão estava todo coberto de neve. A paisagem seria quase linda se não fosse um horror. Já vimos tantas imagens, de tantos campos, lemos os livros, descrições de cada lugar. Não seria tanta novidade, não é? E a princípio não foi. Ao começar o percurso, nada que minha mente imaginativa já não esperava encontrar. Até eu entrar na primeira câmara de gás. Alguma coisa aconteceu naquele momento. Um soco no estômago – não consigo encontrar expressão que descreva melhor. Perdi um pouco o ar. Depois a casa com as camas, a mesma sensação. Sou bastante sensível e muito visual. A imagem, a madeira, o cheiro o silêncio e o frio me disseram em poucos minutos mais do que mil palavras poderiam me contar. Passei o tempo restante em silêncio. Era preciso calar. Parece que a energia do lugar conta a história sem falar.

Terminei o caminho em quase duas horas. Ao sair e me olhar no espelho, senti um enorme alívio. Eu, que muitas vezes fui tão dura comigo mesma, nunca me senti tão bonita quanto naquele momento. Nem tão grata por ser quem sou. Saí em paz. O silêncio foi restaurador.

Até certa idade, para mim, os avós eram as pessoas que vinham da guerra, falavam com sotaque engraçado, nos enchiam de amor, beigale e batata frita, Oy Vey!

Mais tarde compreendi, que eu tive a sorte de ter avós, que apesar dos horrores a que foram submetidos, apostaram alto na vida. Juntos construíram laços fortes e tiveram a ousadia de passar por ela de maneira feliz e comum. A bissale mazal (um pouquinho de sorte), a bissale glik (um pouquinho de alegria). “A gente vivia bem com o que tinha” – eu quase posso ouvi-la repetir.

Eu ainda não sabia, mas fui à Polonia procurar por quem eram aqueles que vinham da guerra. Quem eram todos eles? E encontrei documentos, costumes, fotos e histórias. Me encantei com as ruas, as cores, comidas e cafés. Encontrei o nome da minha avó. Escutei a língua, não entendi nada. Compensei com torta de maçã. Voltei para casa feliz.

Por algum motivo, talvez porque seja a história de tantos avós, senti uma imensa vontade de compartilhar as minhas impressões e sensações. Uma grande viagem. Para fora e para dentro de mim.

Em memória dos meus avós, Tsecha e Natan Szpigel, e dos meus bisavós, Chana e Jacob Josek Rapaport/Ides e Jankiel Szpigel, e como uma maneira de agradece-los, eu escrevo hoje esse texto.

#neveragain

To Life! Lechaim!

 
17dez

2015: fechando para balanço.

Captura de Tela 2015-12-17 às 13.15.22

Condições climáticas 2105: fortes tempestades com pedras de granizo.

Chances de sobrevivência:100%   Sem perder a bossa: 50% – done!

Gratidão: todas as pessoas que tenho hoje em minha vida.

De cair o queixo: amigos, compaixão e generosidade.

Aprendizado: é preciso revisar o ar condicionado do quarto a cada três meses.

Especialidade da casa: crumble de maçãs e almôndegas picantes – imbatíveis.

Dinheiro mais bem investido: terapia, puuuutz…

Escrito pra mim: “Peça licença mas entre” – levarei pra sempre.

Mudança climática drástica: comunicar com objetividade e delicadeza – done.

Frase mais dita: “Em 10 minutos os dois para o banho”.

Um amor: Spotify.

Uma vergonha: minhas playlists – Menina veneno, nem te conto….

Sempre na bolsa: todos os batons que passei a manhã toda procurando em casa.

Necessidade básica: Astor com as amigas.

Força do hábito: chorar muito.

Amor maior: família.

Grande conquista: um escritório com janelão para Al. Lorena – minha NY!

Trabalho: expressão, cor e vida.

Maturidade: se gostar mais aos 36 que aos 18 – ou será falta de bom senso?

Pessoa predileta: minha avó.

And the Oscar goes to: Alex – sempre.

Destaque cultural: apresentação de ballet da Maya.

Me desarma em menos de 2 minutos: as covinhas do Tomy.

Uma alegria: os R$150,00 que encontrei ontem na bolsa antiga.

Luxo absoluto: andar na rua segurando um copo de café.

Palavra do ano: TERNURA.

Não perdi: senso de humor, liberdade e doçura.

Perdi horas: rindo muito com piadas no Instagram/whatsapp (no fundo, ganhei horas).

Vícios: Instagram, leitura, Nakka e sorvete de pistache.

Toc adquirido: passar fio dental muitas vezes ao dia.

Solução para todos os problemas: Emoji.

Meta atingida: gastar tubos no cabelereiro e permanecer loira.

Meios de transporte preferidos: os pés e a mente.

Constatação: eu acho graça  em detalhes (os mais bobos).

Aceitação: ser louca e sã quase na mesma proporção.

2015 em uma frase: “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”

Sentimento dominante: GRATIDÃO

All I need is: férias.

Enfim, foi o ano em que perdi a minha avó. Para mim ela era invencível. Dentro de mim sempre será. Pode vir 2016, pensando bem me sinto bem pronta para você!

Love,

Lu

27mai

Assumo: I love branding!

anos90

15

site

Em tempos de e-commerce – adorando explorar mais os dois lados do mercado online: como consumidora e fornecedora também – foi muito gostoso participar de uma feira como a BABYBUM, ter um contato pessoal com os clientes e sentir o que agrada mais, o que funciona e perceber a reação de encantamento dos que se identificam com a IDEIA DA LU!

Confesso que desde pequena o universo das marcas sempre me encantou, não só no sentido fútil ou apenas consumista, mas me fascinava – e ainda fascina – quando uma marca se comunica tão bem comigo que aquilo conta um pouco ao mundo sobre quem sou. A mochila emborrachada da COMPANY ou a mochila amarelo flúor da PAKALOLO, a necessaire rosa com cachorrinhos da TICKETS, os lápis da CRAYOLA, os tênis NEW BALANCE (que voltaram com tudo), as camisetas brancas da BANANA REPUBLIC, o moletom da HARD ROCK CAFÉ, os cartões e adesivos da HALLMARK são alguns exemplos de marcas que influenciaram muito a minha maneira de criar. Hoje em dia a OSKLEN (mil corações), STELLA McCARTNEY (ahhh), ADIDAS, NIKE, KIPLING, PINK definitivamente me estimulam. Isso não quer dizer que eu possuo ou que possuirei todos os seus produtos, mas aquilo me encanta e me inspira! Mais tarde descobri que além do que vendem, estas marcas trabalham de maneira fortíssima o seu BRANDING e em todos os detalhes comunicam perfeitamente “para o que vieram”. E isso me faz perder o fôlego!

Há pouco tempo participei de um workshop da Alê Garattoni sobre o assunto e desde então,  constantemente acesso seu site em busca de informação, leio livros a respeito e assumo cada vez mais que sempre quis ter a minha marca e comunicar através das cores e traços que escolho o universo que mora dentro de mim. E isso é uma delícia. Portanto ao montar o meu Stand desta edição da Babybum e olhar para aquilo com cara de loja ou ao acessar o meu site (e-commerce, tá bom!) é muito gostoso saber que do começo ao fim me preocupo em imprimir a mensagem que quero passar: IDEIA DA LU – MADE  WITH LOVE AND FUN! Tomara que você se identifique também!

Aproveito para agradecer a todos que foram buscar um pouquinho de inspiração e saíram carregados de sacolinhas da Babybum e lembrar que depois da feira estamos aqui na www.ideiadalu.com.br à sua espera.

Enjoy!

stand1

26mai

Você tem fome de quê?

hortifruti

Para quem curtiu o MENU DA SEMANA para imprimir (ouvi de tanta gente bacana que imprimiu, utiliza super e fiquei tão feliz) aqui vai o parente mais próximo: A LISTA DO HORTIFRUTI – ou sacolão, ou feira, ou seja lá como você chama.

A verdade é que cada vez mais compro o Kit-Sobrevivência-Família-Feliz aqui de casa nos Hortifrutis ou feiras da vida. Primeiro porque estes lugares estão cada vez mais completos e segundo na tentativa de utilizar mais alimentos frescos nas refeições. Portanto fiz uma SUPER LISTA com vários alimentos – entre frutas, legumes, verduras, grãos, queijos e etc que saem mais aqui em casa. Não compro todos os tipos de fruta que estão lá por exemplo, mas tentei deixar bem amplo para você fazer a sua escolha também. E nem especifiquei os tipos de manga, banana, laranja etc porque senão a lista não teria fim, né? Mas lá nos EXTRAS tem espaço para você marcar as “especialidades” da sua casa! Em cada bolinha eu já marco as quantidades de cada um, para que não fique aquele bando de coisa sobrando sem nenhuma saída!

Está aqui abaixo. Espero que ajude! Me conta depois? E se tiver mais alguma ideia será bem-vinda! Enjoy!

listahortifruti1

05mai

Repostando: Eu tenho tempo para essas coisas!

 

bolo

Escrevi o texto abaixo há quase 7 anos atrás, quando meu filho completava 2 anos (sim, ele já fará 9!) e a mais nova estava prestes a nascer. Sou um pouco bastante apegada à ele – ao texto (ao filho também!) – acho que diz muito de mim, de onde vim e diz muito do AMOR, e o quão simples pode ser. Embora tantas coisas mudaram desde então, inclusive meu jeito de ser mãe (não faço bolo para um batalhão – não sempre – e já mais de dois meses que esqueço de mandar o avental da minha filha para a escola!) outras muitas levarei comigo para sempre, como a atenção aos pequenos carinhos mesmo em meio aos muitos ataques de nervos.

“Amanhã é o aniversário de 2 anos do meu filho mais velho (sim, agora ele passará a ser o mais velho). Como o meu presente inclui um barrigão de 9 meses que logo dividirá o quarto, os pais, os avós e o resto da vida com ele, o que consegui organizar foi a festinha da escola. Comprei pratinhos, copinhos e enfeites com o tema da Vila Sésamo que ele adora. E o bolo? Olha ele aí:

Hoje, domingo, pulei da cama (como se fosse possível com uma barriga deste tamanho) às sete e fui para a cozinha. O pequeno não dormiu em  casa, afinal de contas já fará dois anos, o que lhe permite a independência (a dele e a nossa) de dormir na casa dos avós aos finais de semana. Separei os ingredientes, os enfeites, um montão de M&M para decorar e coloquei a mão na massa. E pensei em tantas coisas. Nos meus aniversários na escola, nos bolos embrulhadinhos em papel alumínio, nos tantos bolos que já vi minha mãe fazer, de observar ao lado  e em como isso se tornou natural para mim: cozinhar, criar, mexer, imaginar e transformar e, mesmo pertencendo à geração do “DISK-ENCOMENDO O MAIS LINDO – MINHA VIDA ESTA UMA LOUCURA – NÃO TENHO TEMPO PRA NADA“, longe de heroísmos, eu me orgulho em dizer que sim, eu tenho tempo para essas coisas.

Em plena era da massa americana, ousei fazer um bolo cheio de recheio e lotado de cobertura de brigadeiro, assim meio desmilinguido, bem tortinho, com cara de mamãe fez com carinho. Aproveito para agradecer à minha mãe, que dentre tantas outras coisas, sem saber, me ensinou a bater um bolo, assim, num instantinho.”

moldurabolas

estes e + quadrinhos lá na lojinha: www.ideiadalu.com.br        

14abr

Pode usar o Lavabo

lavabo

Seria de bom tom, no meu casamento civil, o juíz acrescentar a seguinte pergunta ao meu marido: “Ela preencherá todas as paredes da casa com quadros, papeis, fotos, capas de livro e coisas estranhas, aceita?”

E se a resposta fosse positiva: “Eu o declaro um maluco total.”

A verdade é que sou 100% movida a estímulos visuais, sensoriais e “literais” (não se preocupe, deixei isso claro antes de casar). Tenho costume de recortar ou xerocar textos, imagens e passagens, de livros, revistas, propagandas, cartazes –  cenas ou mensagens interessantes e que acredito que me serão úteis – mesmo que daqui a 10 anos. Uma pasta bem recheada de esquisitices bacanas.

Mas já se foi o tempo de enfeitar capas de agendas. As paredes dos outros ambientes andam bem acompanhadas. Portanto a vítima escolhida foi ele: O LAVABO - com uma parede todinha em cinza claro olhando pra mim, justo eu, que adoro quando os banheiros de restaurantes, bares ou lojas são interessantes e me fazem rir, pensar ou contemplar (Para cariocas de plantão o banheiro do T.T. Burguer é demais, assim como toda a comunicação visual da lanchonete – pauta para outro post!) iria deixa-lo assim?

Fucei um montão de referências no Pinterest – meu melhor amigo para assuntos inspire-se já ou cale-se para sempre – abri minha pastinha e colei um pouco do que me fez rir no momento:

- Iris Apfel – rainha mór da excentricidade e dona da frase: “MORE IS MORE AND LESS IS BORE” que amo!.

- Woddy Allen – porque o Woody é o Woody!

- Steve Jobs – para lembrar que ainda estou na terceira parcela do Iphone 6 e que dá pra ser gênio nessa vida trabalhando da garagem.

- um dos melhores títulos de livro que conheço: Are you there Vodka? It’s me Chelsea – da comediante e apresentadora Chelsea Handler (não li o livro, fiquei com medo do conteúdo não ser tão bom quanto o título).

- crônicas da Martha Medeiros – para se pensar um pouco na vida e também porque ela trouxe a expressão MUNDANO para o meu vocabulário e tenho usado que nem louca nos últimos 30 dias.

Aqui um pouquinho das referências que fucei – adoro essa ideia de brincar de moldura com as fitas adesivas modernetes. Vai que você se inspira também?! Agora se o juíz perguntar….

parede1

parede2

1 – Trendenser  2- 100layercake 3 – Entermyattic  4 – Bazaar

Mais um pouquinho no meu Pinterest – Paredes

 

 

06abr

Special Guest – o jogo americano super educado!

special1

special2

special4

special3

A Gabi e o Theo já ganharam de presente, os amigos deles também. A Fernanda queria encomendar algo especial para os super sobrinhos. Eu sempre aconselho a dar os jogos americanos em duplas, pra mim faz mais sentido, até pelo nome: Jogo Americano - tem um ”q” de equipe, vai? E assim tivemos uma ideia que fez o maior SUCESSO: um jogo para o aniversariante + outro para a visita especial (ou SPECIAL GUEST como ela escolheu), levando em consideração que quase toda sexta-feira é o “DIA DO AMIGO” na casa dela. Na minha também costuma ser assim, e na sua, como é? Uma maneira bacana de ensinar aos filhos a receber com carinho! #ficaadica!

Para conhecer todas as estampas, só clicar na loja www.ideiadalu.com.br e ENJOY!

 

30mar

Menu da Semana – é o que temos pra hoje!

menu3Em dois momentos consigo organizar meus pensamentos: quando escrevo e quando cozinho. Para filtrar tudo o que borbulha em minha mente não tem jeito, só colocando no papel mesmo. Quando organizo a rotina não é diferente: me sinto em paz apenas depois de rabiscar um pouquinho.

Descobri que organizar o MENU da SEMANA no domingo poupa um tempo danado, visto que a pessoa controladora que mora dentro de mim não consegue delegar tarefa (você está liberada disso, tá?). Meus filhos almoçam na escola/clube durante a semana – voltam para o almoço na sexta-feira, portanto na maioria das vezes aqui em casa é só jantar. Tenho como filosofia de que a refeição à noite deve ser leve, sem excessos de comida e  pode ser simples, nutritiva e pouco trabalhosa. “Roubo” um monte de dicas bacanas do pinterest, instagram, livros e sites, faço um mix e vou trocando durante o mês.

Decidi então criar um Menu da Semana para Imprimir – a geladeira fica linda, a empregada feliz e eu também. Preencho no domingo e me libera tempo e energia pra focar em todo o resto! Vai aqui de brinde para Download em duas versões: um menorzinho para quem escreve apenas o jantar como eu e um maior para quem deixa escrito todas as refeições. E ainda um “espaço plus” para a listinha de extras – aqueles itens que costumam fugir da memória! Espero que inspire a sua semana assim como inspira a minha!

Clique abaixo para DOWNLOAD e Divirta-se!

menu

menu-semana1

•Dica de Fuçadora Compulsiva:

www.panelinha.com.br - a Rita Lobo ensina receitas simples, charmosas e que funcionam meesmo! (ainda vale colar no Cozinha Prática – às segundas-feiras 20:30 no GNT)

www.santomenu.com.br - além das receitas a Joana posta um menu completo para cada semana

No instagram minhas musas Healthy Style:

@alessandraades - aprendo um monte de dicas e combinações com ela que tem ainda o PLANNING MENU - consultoria especializada em transformar os hábitos da casa com menus personalizados!

@vanessakryss - na mesma linha mix de receitas práticas, saudáveis  e cheias de estilo, ela também dá cursos avulsos!

@nutrieconsult - dicas e inspirações divertidas das super nutris Dani e Fê.

 

 

 

04dez

Reflexões sobre 2014 antes dos 35!

amen

Ao mexer hoje no www.ideiadalu.com.br , aproveitei para fazer um pequeno-grande balanço sobre o meu ano de trabalho. A princípio era só pra colocar no caderno, mas achei bonitinho e quis postar:

Participei de 4 cursos online e 2 cara a cara. Li pelo menos 10 livros sobre temas entre branding, negócios e design, mais diversas matérias a respeito e me descobri apaixonada por conceito de marcas e histórias sobre o desenvolvimento das pessoas, posso passar horas falando a respeito – não se preocupe, não farei isto. Aprendi a dizer e-commerce ao invés de loja virtual e me senti tão antenada. Consegui distinguir as pessoas que gosto de pedir e ouvir conselhos. Fiz um vídeo em Rosh Hashaná que teve quase 100 compartilhamentos e percebi que a internet é f….. Entendi que preciso do meu trabalho para canalizar minha sensibilidade exacerbada e que meu marido é um grande ponto de equilíbrio. Aceitei construir o meu caminho profissional com muita intuição (já briguei bastante com isso), mas números…por favor, alguém faça alguma coisa com isto?! Entendi que tenho uma maneira muito própria de aprender e absorver as coisas, que posso passar uma madrugada inteira lendo sobre algum assunto que me interesse e aplicar da maneira mais original possível e então me dei conta do porquê não fui uma grande aluna na escola. Criei mais 10 produtos e fiquei surpresa e orgulhosa ao ver todos juntos se exibindo pra mim! Participei de duas feiras bacanas mesmo com medo. Aprendi a me expor mais e aceitar melhor elogios. Entendi que ver a reação de encantamento das pessoas que gostam do meu trabalho é meu maior combustível (obrigada!). Percebi que coloco uma pegada de humor em tudo que faço e que quando acham graça no que faço com graça eu me desarmo toda! Perdi preconceitos a respeito da comunicação virtual, fiz vários contatos bacanas, trocas e parcerias. Tá bom, sou viciada em instagram mas é melhor do que o vício em carboidrato, vai? Saquei que mulheres autônomas e empreendedoras é uma grande tendência. Estou aprendendo que a persistência é a alma do negócio. Percebi que ser gentil com as pessoas me faz feliz e prometi não deixar a correria do dia a dia levar isto de mim. Compreendi que por mais profissional que eu tente ser, tem que fazer sentido no coração para funcionar. Me dei conta de que montar a minha rotina de trabalho é muito bom, que sorrio toda vez ao entrar no Café Suplicy e que trabalho + café andam sempre juntos. Assumi ser 100% urbana, que preciso de poluição visual e gente andando na rua e que minha paisagem preferida é olhar o mundo de dentro do Central Park (tá, eu ainda não conheço a Grécia). Aprendi a escrever minhas metas, a curto, médio e longo prazo, e reler todos os dias. E falando em rotina, theeverygirl , alessandragarattoni, abeautifulmess : com vocês meu café da manhã é incrível. Que ver os olhinhos de orgulho dos meus filhos me enche de amor sempre. E que não importa a idade, a aprovação dos pais sempre conforta, mesmo aos quase 35. E também que ser caçula não quer dizer que sou pequena (não mais!). Consegui escrever um texto todo sem usar aspas e me dei conta de que são sete e meia da noite e meus filhos não jantaram, talvez um deles até já adormeceu.

Aprendi a me sentir muito, muito grata por ter uma alma sensível e observadora e ser capaz de transformar isso em coisas belas!

Enfim, um grande ano.

2105: espero ainda mais de você e de mim!